O sobrepeso e as dietas inadequadas são amplamente conhecidos como fatores de risco para o diabetes tipo 2. Assim sendo, várias pesquisas sobre a composição das dietas têm sido realizadas com resultados interessantes.

Fibras

Não se sabe ao certo, mas alguns mecanismos podem contribuir para que as pessoas que seguem dietas com uma grande quantidade de fibras tenham menos chances de desenvolver diabetes tipo 2. Uma possível explicação seria o fato de que a sensação de saciedade por mais tempo pode prolongar sinais hormonais que abrandam a absorção de nutrientes ou que modificam a fermentação no intestino grosso.

Em um estudo, analisaram-se dados em mais de 29.000 europeus acompanhados, em média, durante 11 anos. Aqueles cuja dieta continha uma maior quantidade de fibras (mais de 26 gramas por dia) apresentaram uma probabilidade 18% menor de desenvolver diabetes tipo 2 comparado aos que ingeriram menos fibras (inferior a 19 gramas por dia). Na avaliação dos tipos específicos de fibras, descobriu-se que as pessoas que consumiram a maior quantidade de fibras de cereais e vegetais eram 19% e 16%, respectivamente, menos propensas a desenvolver diabetes tipo 2. O consumo de fibras de frutas não foi associado a um risco menor de diabetes.

Dor da neuropatia diabética

Uma dieta baseada em vegetais reduz a dor da neuropatia diabética, de acordo com um estudo publicado na Nutrição e Diabetes por pesquisadores do Comitê de Médicos da Califórnia State University, East Bay, e da Escola de Medicina e Ciências da Saúde da Universidade George Washington. Nesse estudo-piloto, 17 adultos foram submetidos a uma dieta de vegetais com baixo teor de gordura por 20 semanas, com aulas semanais de nutrição. Os pesquisadores encontraram melhorias significativas na dor, medida pelo Questionário Short Form McGill de Dor, Instrumento de Avaliação Física Michigan Neuropathy Screening e por meio de condutância da pele eletroquímica no pé. Esses participantes também perderam peso – em média, 6,35 kg. Conclui-se que a intervenção dietética possivelmente reduz a dor associada à neuropatia diabética ao melhorar a resistência à insulina.
A mesma dieta também melhorou o peso corporal e reduziu o colesterol e a pressão arterial. A intervenção dietética é muito importante. De acordo com um estudo publicado no JAMA Internal Medicine, alguns minutos adicionais de aconselhamento nutricional são favoráveis para a maior redução da ingestão de gordura saturada, melhora do colesterol LDL e perda de peso. Aveia, folhas verdes e lentilhas são facilmente encontradas em mercados e se encaixam bem na maioria dos orçamentos domésticos.

Lanches de proteína – Controle do apetite e qualidade da dieta na adolescência

Pequenos lanches contendo proteína da soja podem promover a sensação de saciedade e diminuir hábitos alimentares pouco saudáveis entre os jovens. Pesquisadores descobriram que um pequeno lanche à tarde, particularmente com alimentos de alta proteína e farelo de soja, reduz o apetite, retarda o desejo de comer subsequentemente e reduz a quantidade de ingestão de lanches insalubres à noite entre os adolescentes.

Papel dos probióticos na redução do risco de diabetes gestacional

Gestantes com sobrepeso correm o risco de desenvolver diabetes gestacional, condição que afeta a saúde da mãe e da criança, tanto em curto quanto longo prazo. Avanços científicos recentes apontam para uma disbiose da microbiota intestinal com consequente inflamação de baixo grau. Isso seria um elemento que contribui para a obesidade e suas comorbidades. Tais achados sugerem um papel importante para os probióticos na busca de aplicações coadjuvantes preventivas e terapêuticas na diabetes gestacional.

Adesão a uma dieta mediterrânea e o risco de diabetes

A adesão a uma dieta mediterrânea está relacionada a melhoras significativas no estado de saúde e a uma redução significativa no risco de diabetes (19% – evidência de qualidade moderada). Esses resultados parecem ser clinicamente relevantes para a saúde pública, em especial para incentivar uma dieta para a prevenção primária do diabetes mellitus tipo 2.

O efeito de suplementos, extrato de canela, cromo e magnésio no controle glicêmico

Um estudo controlado randomizado avaliou os efeitos agudos em longo prazo da suplementação diária de mel de kanuka, formulado com canela, cromo e magnésio, nos parâmetros de metabolismo: peso, lipídeos e glicose em indivíduos com diabetes tipo 2. A adição de canela e cromo e a suplementação de magnésio no mel de kanuka não foram associadas a uma melhoria significativa no metabolismo da glicose nem no controle glicêmico em indivíduos com diabetes tipo 2. O uso do mel enriquecido, no entanto, foi associado a uma redução no peso e a melhorias nos parâmetros lipídicos e deve ser mais bem investigado.

Referências:

LAMICHHANE AP. C. JL.; JAACKS LM; COUCH SC.; LAWARENCE JM.; MAYER-DAVIS EJ. Longitudinal associations of nutritional factors with glycated hemoglobin in youth with type 1 diabetes: the SEARCH Nutrition Ancillary Study. Am J Clin Nutr., v. 101, n. 6, p. 1278-85, jun. 2015.
WU PY.; HUANG CL.; LEI WS.; YANG SH. Alternative health eating index and the Dietary Guidelines from American Diabetes Association both may reduce the risk of cardiovascular disease in type 2 diabetes patients. J Hum Nutr Diet, 23 mai. 2015.
WHITFIELD P. et al. The effect of a cinnamon- chromium- and magnesium-formulated honey on glycaemic control, weight loss andlipid parameters in type 2 diabetes: an open-label cross-over randomised controlled trial . Eur J Nutr., 19 mai. 2015.
SCHWINGSHACKL L.; MISSBACH B.; KÖNIG J.; HOFFMANN G. Adherence to a Mediterranean diet and risk of diabetes: a systematic review and meta-analysis. Public Health Nutr., v. 18, n. 7, p. 1292-9, mai. 2015.
Snacking on protein can improve appetite control and diet quality in teens.
Top News in Endocrinology, University of Missouri News, 28 mai. 2015.
ISOLAURI E.; RAUTAVA S.; COLLADO MC.; SALMINEN S. Role of probiotics in reducing the risk of gestational diabetes. Diabetes Obes Metab., 16 abr. 2015.