Desde já, a calvície masculina, ou alopecia androgenética (AGA), é causa de muita angústia uma vez que o cabelo está ligado à aparência física e à identidade sexual do indivíduo. Nesse contexto, os recentes estudos sobre o papel das prostaglandinas ampliam as possibilidades de tratamento e bem-estar para o público masculino. 

Isso porque os tratamentos atuais seguem modelos fisiopatológicos inspirados na observação de Aristóteles de que “eunucos não ficam carecas”. 

Assim sendo, já é conhecida a importância da testosterona, razão pela qual o tratamento com a 5-α-redutase tipo II (finasterida) é muito utilizado nos dias de hoje. 

Originalmente usado no tratamento da hipertensão, o minoxidil foi incorporado ao arsenal terapêutico da AGA dada sua ação no crescimento do cabelo. Outro recurso utilizado com bastante sucesso é o transplante de fios.

No entanto, há necessidade de ampliar o conhecimento da patogênese e oferecer novas terapias

O papel das prostaglandinas na estrutura do cabelo

As prostaglandinas apresentam-se como uma nova alternativa de tratamento para a alopecia androgenética (AGA), ou calvície masculina.

A princípio, as prostaglandinas são conhecidas por modular a função do cabelo

Em suma, o papel da prostaglandina D2 na biologia do cabelo foi identificada comparando-se dois tipos de couro cabeludo em pacientes do sexo masculino com AGA: calvo e com cabelo. O controle foi realizado por meio do próprio escalpo do paciente.

Os resultados sugerem que a PTGDS, uma enzima sintetase de prostaglandina, seria elevada no couro cabeludo calvo dos homens.

Recentemente, demonstrou-se que a prostaglandina D2 presente no couro cabeludo é elevada na calvície masculina e inibe funcionalmente o alongamento do cabelo, por meio do seu receptor GPR44.  

Medicamento com prostaglandina, um tratamento promissor para alopecia

Um produto recém-descoberto para estimular o crescimento do cabelo é o bimatoprosta (LatisseR), análogo da prostaglandina F2-alfa, que tem sido prescrito para aumentar o crescimento dos cílios. 

Outra opção que chegou há pouco ao mercado é o latanoprosta, outro análogo direto da prostaglandina f2-alfa usado na forma de colírio para diminuir a pressão intraocular no glaucoma e que também causa o alongamento dos cílios.

Estudos recentes avaliaram a ação de latanoprosta no tratamento da alopecia e foi observado o aumento significativo da densidade capilar, tanto de pelos velus quanto de pelos terminais. 

Dessa forma, constatou-se que a sua ação ocorre principalmente por meio do estímulo aos folículos capilares, prolongando a fase anágena e promovendo a conversão da fase telógena à fase anágena. 

Além disso, observou-se que o desequilíbrio na concentração de prostaglandinas na região do couro cabeludo leva a uma redução da fase anágena e ao aumento das fases catágena e telógena, ou seja, a proporção de fios que permanecem na fase de queda é maior, e a que permanece na fase de crescimento capilar é menor, gerando a alopecia. 

Assim ocorre a miniaturização dos folículos capilares, o que reduz a conversão de pelos velus para pelos terminais, gerando pelos com tamanho e espessura reduzidos. 

O uso de latanoprosta tem apresentado resultados de grande eficácia, promovendo o aumento significativo da densidade capilar e redução de sua queda em um período relativamente curto.

Formulações no tratamento com prostaglandinas

A latanoprosta pode ser formulada na forma de gel-creme para sobrancelhas e de espuma para cabelos, entre outras opções. 

Nesse ínterim, a formulação personalizada proporciona ao paciente maior segurança e conforto na aplicação e possibilita associação com outros ativos para uma ação potencializada, promovendo, assim, maior adesão do paciente ao tratamento. 

Simultaneamente, estudos de casos e trabalhos científicos evidenciaram bons resultados no tratamento da alopecia, redução da queda capilar, aumento da conversão de pelos velus em pelos terminais e aumento da densidade e pigmentação capilar, também em associação com o minoxidil.

Referências:

  • GARZA LA, et al. Prostagladin D2 Inhibits Hair Growth and Is Elevated in Bald Scalp of Men with Androgenetic Alopecia. Sci Transl Med, v. 4, n. 126, p. 126-134, 21 de março de 2012.
  • JOHNSTONE MA, ALBERT DM. Prostaglandin-induced hair growth. Surv Ophthalmol, v. 47, (suppl 1), p. 185-202, ago. 2002. 
  • NIEVES A. et GARZA, L.A – Does prostaglandin D2 hold the cure to male pattern baldness? Issue Experimental Dermatology, v.23, n. 4, p. 224–227, abril, 2014.
  • Encarte técnico Fagron