Ingredientes com Risco Potencial para Pacientes Com Dermatite

Dermatite Atópica

Dermatite Atópica

Características Gerais da Doença

A dermatite atópica (DA) é uma doença inflamatória cutânea crônica ou recorrente que acomete muitas pessoas causando um impacto social e econômico significativo em todo o mundo, afetando 2,1-4,9% da população adulta e 15-20% das crianças (Deleanu e Nedelea 2018).

A etiologia da DA ainda não é bem estabelecida e, portanto, continua sendo um tópico de estudo e interpretação. Contudo, atualmente é interpretada no contexto da complexa interação entre predisposição de:

 

Genética e a barreira epidérmica disfuncional e/ou composição lipídica;

Exposição a fatores ambientais prejudiciais.

A barreira epidérmica na DA

A barreira epidérmica em pacientes com dermatite atópica (DA) é deficiente em ceramidas e catelicidinas. Esses defeitos epidérmicos podem ser um fator desencadeante da DA.

Do ponto de vista imunológico, os pacientes com DA também são caracterizados pela forte expressão da célula T-helper 2 (Th2). Lesões de pele na DA mostram infiltrados de células T que podem induzir a apoptose de queratinócitos e afetar a função de barreira da pele (Lisante et al., 2017).

Dermatite Atópica

Os últimos anos trouxeram uma melhora significativa na elucidação das interações complexas entre barreira da pele, fatores genéticos e ambientais. 

Alergênicos em Cosméticos

Ingredientes com Risco Potencial para Pacientes Com Dermatite

Surfactantes e seu Potencial Alergênico:

Surfactantes

%

Oleamidopropyl dimethylamanine 3,5
Dimethylaminopropylamine (DMAPA) 1,8
Decyl glucoside 1,7
Cocamidopropyl betaine 1,6
Amidoamine 1,2
Cocamide DEA 0,9

Fonte: (Dekoven et al., 2017)

Cocamidopropyl betaine e Coco-Betaine

Dermatite Atópica

Surfactante

Pontuação

Cocamidopropyl betaine 4
Coco-Betaine 1

Fonte: EGW’s Skin Deep®

Alquil Glicosídeos

O Alquil Glicosídeo foi considerado o alérgeno do ano de 2017 segundo o American Contact Dermatitis Society Contact Allergen. Estudos demonstram que casos de dermatite de contato a essa família de molécula tem sido relatado nos últimos anos.

Metilisotiazolinona

O Metilisotiazolinona foi considerado o alérgeno do ano de 2013 segundo o American Contact Dermatitis Society Contact Allergen. Na Europa, foi relatado uma frequência de aproximadamente 1,5% deste conservante.

Propilenoglicol

O Propilenoglicol foi considerado o alérgeno do ano de 2018 segundo o American Contact Dermatitis Society Contact Allergen. Dermatite de contato alérgica e reações cutâneas sistêmicas ao Propilenoglicol, que se tornou um ingrediente cada vez mais comum, foram documentadas.

Formulações para Pacientes com DA

Sabonete para Peles Atópicas 

Sabonete
Sabonete qsp 100 mL

Limpeza diária ou conforme orientação médica.

Aveia Coloidal na Dermatite Atópica

Creme de Aveia Coloidal
Aveia Coloidal 1- 10%
Creme Hipoalergênico qsp 50 g

Aplicar 1 vez ao dia nos locais afetados ou conforme orientação médica.

Avaliou o Índice de Área e Gravidade de Eczema (EASI) e a Avaliação Atópica de Dermatite Atópica (IGADA) do investigador no dia 3, e a gravidade da coceira usando uma Escala Visual Analógica (VAS) imediatamente após a aplicação como endpoints primários de eficácia. 29 pacientes foram incluídos. EASI, IGADA e coceira foram melhorados após a aplicação, e melhorias foram mantidas até o dia 14. No dia 14, esses percentuais foram de 82,8%, 62,1% e 85,7%, para valor basal, EASI e escores IGADA, respectivamente (Lisante et al., 2017).

Efeitos Moduladores dos Probióticos na DA

Suplementação de Probióticos
Lactobacillus salivarius 1 x 109 UFC*
Excipiente qsp 1 Cápsula

Administrar 1 cápsula ao dia ou conforme orientação médica.
*Dose usual.

Administração de Lactobacillus salivarius em 38 pacientes com dermatite atópica moderada a severa. Efeitos imunomoduladores verificados através da redução da produção de citocinas por Th2, mantendo a produção de citocinas por Th1 estável; Redução do SCORAD (índice que avalia a severidade da dermatite atópica) (Drago et al.,2012).

Mousse de Limpeza Suave

Mousse de K-Noa
Mousse de K-Noa qsp 120 mL

Aplicar no couro cabeludo massageando suavemente. Enxaguar.
Uso diário ou a critério médico.

Banho

Sabonete de K-Noa
Sabonete de K-Noa qsp 120 mL

Aplicar na face e corpo massageando suavemente e enxaguar.
Uso diário ou conforme orientação médica.

Remoção de Maquiagem

Demaquilante de K-Noa
Demaquilante de K-Noa qsp 120 mL

Agitar antes de usar. Uso diário na remoção de maquiagem ou conforme orientação médica.

A K-noa Foam é um surfactante natural, obtido da saponina da Quinoa cujas funções tensoativas produzem uma suave espuma com características purificadoras e calmantes, apresentam excelentes propriedades hidrofílicas e lipofílicas, conferindo um produto formador de micelas com uma espuma, densa e duradoura”

Em meio a diversas aplicações a K-noa Foam pode ser aplicado em diversas formulações cosméticas, produtos para cuidados pessoais, adstringentes, uso veterinário e outros, com a vantagem de utilizar ativos naturais sem sulfato.

A estrutura química das saponinas determina suas propriedades biológicas como um detergente não-iônico com propriedades anti-inflamatórias, anti-fúngicas, antibacterianas e antivirais. (Arabski et al., 2012)

Espuma para Banho

Espuma de K-NOA
Gluconato de sódio 0,10%
Conaron B 0,65%
Amisoft Ecs 22 5%
Glicerina 5%
K-NOA FOAM 15%
Ácido Cítrico sol 40% qs pH 5,5
Água qsp 100%

Aplicar na face e corpo massageando suavemente e enxaguar.
Uso diário ou conforme orientação médica.

Referências

Deleanu D1,2,3, Nedelea I1,2. Biological therapies for atopic dermatitis: An update. Exp Ther Med. 2019 Feb;17(2):1061-1067. doi: 10.3892/etm.2018.6989. Epub 2018 Nov 19.

Lisante TA, Nunez C, Zhang P, Mathes BM. A 1% Colloidal Oatmeal Cream Alone is Effective in Reducing Symptoms of Mild to Moderate Atopic Dermatitis: Results from Two Clinical Studies.J Drugs Dermatol. 2017 Jul 1;16(7):671-676. PMID: 28697218

DEKOVEN, J. G.  et al. North American Contact Dermatitis Group Patch Test Results 2013-2014. Dermatitis, v. 28, n. 1, p. 33-46, Jan/Feb 2017. ISSN 1710-3568.  

Drago L1, Toscano M, De Vecchi E, Piconi S, Iemoli E. Changing of fecal flora and clinical effect of L. salivarius LS01 in adults with atopic dermatitis. J ClinGastroenterol. 2012 Oct;46 Suppl:S56-63. doi: 10.1097/MCG.0b013e318265ef38.

Arabski M, Węgierek-Ciuk A, Czerwonka G, Lankoff A, Kaca W. Effects of saponins against clinical E. coli strains and eukaryotic cell line. J Biomed Biotechnol. 2012;2012:286216. doi: 10.1155/2012/286216. Epub 2012 Feb 21.

Letelier L, Harvey N, Valderrama A, Stoll A, González-Rodríguez A. Isolation and characterization of 12 microsatellite loci in soapbark, K-Noa saponaria (Quillajaceae). Appl Plant Sci. 2015 May 11;3(5). pii: apps.1500024. doi: 10.3732/apps.1500024. eCollection 2015.

EGW’s Skin Deep® – Acesso em: https://www.ewg.org/skindeep/ingredient/704518/PEG-15_COCAMINE/