A acne afeta a qualidade de vida, autoestima e o humor dos adolescentes. Também está associada a risco de depressão, ansiedade e ideação suicida, o que mostra a importância de se conversar diretamente com os pacientes sobre questões psicológicas e identificar aqueles que possam se beneficiar desse apoio.

Recentemente, foram publicadas várias revisões sobre os tratamentos existentes.

Ácaros

Os ácaros demodex são colonizadores normais da pele ao redor das glândulas sebáceas e têm sido associados a várias condições da pele, incluindo a rosácea. Uma revisão sistemática, cujo objetivo foi confirmar a ligação entre os ácaros demodex e a acne vulgaris, detectou uma relação mas não resultou na constatação de uma ligação causal. Os estudos, no entanto, levantaram a questão de se avaliar se sua erradicação vale a pena no tratamento da acne.

Dieta, obesidade e acne

Na última década, foram realizados muitos estudos que examinaram a relação entre dieta e acne. Os artigos pesquisados, porém, não foram conclusivos e os resultados devem ser tratados com cautela. Há a necessidade de se investigar, em estudos mais longos, a relação entre a acne e os produtos lácteos ou outros fatores dietéticos, como a carga glicêmica.

Tratamentos Tópicos

Peróxido de benzoíla

Vários estudos compararam diferentes dosagens (2,5%, 5% e 10%) de peróxido de benzoíla. Concluiu-se que concentrações de 2,5% podem ter um perfil de efeitos colaterais melhor que concentrações mais elevadas, além de boa eficácia no tratamento.

Tratamento antimicrobiano tópico 

A combinação de peróxido de benzoíla e adapaleno foi considerada eficaz. A combinação de clindamicina tópica com 2,5% ou 5% de peróxido de benzoíla também apresentou bons resultados, além de apoiar a noção de que os produtos combinados funcionam melhor do que a monoterapia.

Tratamento de combinação fixa e retinóides tópicos

Uma revisão sistemática procurou responder qual tratamento seria mais eficiente: com produtos combinados fixos ou monoterapia com retinóides tópicos. Estudos encontrados indicam que a terapia de combinação fixa pode ser mais eficaz do que a monoterapia com retinóides nas lesões inflamatórias.

Tratamentos Orais

Minociclina

A minociclina é eficaz para acne de moderada a grave, mas não apresentou resultados superiores comparado a outras terapias utilizadas. O medicamento está associado a uma reação do tipo lúpus e a efeitos colaterais piores. Tem um início de ação mais rápido, mas seu efeito não dura mais do que o de outras tetraciclinas.

Contraceptivos orais combinados 

Os contraceptivos orais para acne (COA) são eficazes no tratamento tanto de acne não inflamatória quanto inflamatória.  A ciproterona é um medicamento eficaz, mas são necessários mais estudos comparatórios, inclusive com relação ao seu uso com outros tratamentos tópicos e orais.

Espironolactona

Nesta revisão, os autores não encontraram estudos que comprovassem a eficácia da espironolactona diretamente na acne.

Outros tratamentos

Ressurfacing 

Realizou-se uma revisão sistemática do processo de ressurfacing comparado à fototermólise fracionada ablativa e não ablativa (PF) no tratamento de cicatrizes de acne. Com base tanto em medições subjetivas quanto objetivas, os autores descobriram que ambos os tratamentos levaram a uma melhora de curto prazo nas cicatrizes: de 26 a 83% para o ablativo e de 26 a 50% para o não ablativo. Esse estudo resume os efeitos colaterais principais dessa técnica e destaca a necessidade de estudos futuros para explorar se os benefícios em curto prazo serão mantidos.

Peelings químicos superficiais

Os peelings químicos são usados para suavizar a superfície da pele e criar um tom uniforme. Os ácidos glicólico, salicílico e pirúvico são os principais agentes utilizados. O ácido salicílico e ácido glicólico apresentaram um benefício significativo no tratamento da acne comedonal em quatro estudos, com uma redução de 35 a 50% nos comedões. São necessários mais trabalhos para comparar peelings com medicações mais tradicionais e detectar a existência de efeitos sinérgicos.

Referência

BHATE K1, WILLIAMS HC. “What’s new in acne? An analysis of systematic reviews published in 2011-2012.” Clin Exp Dermatol. V. 39, n. 3, p. 273-277; quiz p. 277-288. DOI: 10.1111/ced. 12270, abril 2014.